O que Bolsonaro fez por Londrina e região?

Opinião do Leitor: Este é um espaço destinado a publicações e textos de leitores do Portal TEM.

Imagem: Reprodução/TV Brasil

O presidente Jair Bolsonaro, ainda no PSL, conquistou mais de 80% dos votos em Londrina, na última eleição presidencial. Foi a maior votação para um cargo executivo na história da cidade. Logo, você deve estar imaginando que o atual governo olhou com carinho por Londrina e região e fez muitas ações por aqui, certo? Pois bem, errou!

Visitando a região nesta sexta-feira (8), após mais de três anos chefiando o executivo, pode-se dizer, sem meias palavras, que o governo federal fez muito pouco, ou talvez, quase nada por Londrina e região, afinal este período registra os mais baixos número de investimentos federais dos últimos anos. Aliás, para piorar a situação, o presidente da República ainda conseguiu atrapalhar o desempenho de políticas públicas municipais e estaduais durante todo esse período, principalmente, na pandemia de covid-19 que matou 2.496 londrinenses (3.916 moradores da região) e deixou milhares de cidadãos “sequelados”, desempregados e sem melhores perspectivas de futuro.

Enquanto toda a cidade se mobilizava contra o tempo para salvar vidas, este mesmo senhor utilizava suas redes sociais para, inacreditavelmente, atrapalhar tudo o que era planejado. Enquanto as equipes da Secretaria de Saúde de Londrina, enfermeiros, médicos, técnicos e secretários corriam contra o tempo salvando vidas e se desgastando diuturnamente, o mandatário da cadeira presidencial fazia, sem nenhum pudor, ‘motociatas’ com dinheiro público, festinhas em jetski, lanchas, palanques, além de demonstrar uma absurda falta de empatia com milhões de brasileiros, consequentemente, milhares de londrinenses. “E daí”, “Chega de frescura”, “Parem de chorar”, “Eu não sou coveiro”, “Vacina causa AIDS”, entre outras frases estapafúrdias, para não dizer criminosas, fizeram da pandemia uma tragédia ainda maior.

Bolsonaro falando a apoiadores no ‘cercadinho’ do Palácio do Planalto – Imagem: Reprodução

Enquanto as autoridades locais tentavam educar e imploravam para que os londrinenses usassem a máscara — que salvou centenas de vidas —, não se aglomerassem, cuidassem de si e dos entes queridos — quem não se lembra das lives do prefeito Marcelo Belinati (PP) todos os domingos: explicando, explicando e explicando — enquanto isso, o próprio presidente, que deveria ser o líder máximo da nação, fazia exatamente o contrário. Se aglomerava todos os dias, criticava o uso da proteção e ainda desacreditava da imunização. Aliás, vacinas que ele só comprou após muita pressão popular, com uma pitada de medo eleitoral. Imaginem, quantos londrinenses, ibiporanenses, cambeenses, tamaranenses, araponguenses, entre outros moradores de toda a região, poderiam ter sido salvos caso o mandatário, pelo menos uma vez durante a crise sanitária, tivesse agido com sensatez? Quantos amigos, avós, pais, filhos não estariam entre nós hoje? Quanta dor poderia ter sido evitada. Não comprou vacinas por birra. Não ajudou autoridades estaduais e municipais nas estratégias de combate à pandemia por pura falta de compaixão com o próprio povo que o elegeu.

Em Londrina, ao menos duas mortes são investigadas — de 12 e 48 anos — e teriam relação com o uso direto de medicamentos ineficazes contra a covid-19. O chamado “kit covid”, pacote de remédios que o pré-candidato a reeleição ajudou a enfiar goela abaixo da população.

Pandemia mais de três mil pessoas em Londrina e região – Imagem: Reprodução

E os empregos e as empresas? Quantos empregos foram perdidos na cidade, pelo prolongamento da pandemia diretamente ligado à falta de liderança política, de saúde pública e pela incapacidade de gerir uma crise sanitária dessa proporção? Em Londrina, por exemplo, pouquíssimos empresários conseguiram os créditos que teriam sido disponibilizados nos programadas governamentais. Diversas empresas fecharam e não tiveram acesso a qualquer auxílio ou ajuda financeira para manter empregos e serviços.

Quem se cuidou, quem cuidou da família, dos pais, dos filhos, quem cuidou dos amigos, quem seguiu a lei, as regras, teve ainda que lidar com um vírus mortal, problemas econômicos, desgaste mental e um governo incompetente.

Enfim, é possível elencar inúmeras ações que, ao invés de ajudar o município ou a região, na realidade, prejudicaram os trabalhos de pessoas que realmente estavam dispostas a resolver os problemas.

Bolsonaristas esperaram o presidente no Aeroporto de Londrina – Imagem: Reprodução

No entanto, para não dizer que o atual governo, ou melhor, que o presidente da República nada fez pela região, vale relembrar do novo pedágio, isso, da nova praça de pedágio entre Tamarana e Mauá da Serra, além das 42 novas praças que permanecerão nos próximos 30 anos no Paraná. Este é um belo presente que o Ministério da Infraestrutura, autorizado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em conjunto com o governo estadual, vai deixar para a nossa região.

Boa final de semana e muito discernimento a todos, principalmente, para quem ainda tem coragem de apoiar tudo isso.

* Texto de: Jonatas William Macedo, 41 anos, empresário. Cristão, apaixonado por Londrina, casado há 12 anos, pai de duas filhas lindas, razão da minha vida.

Este texto não reflete necessariamente a opinião do TEM.

Redação Tem com Espaço Leitor



Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail