Caso Eduarda: júri popular é marcado para março do ano que vem

Pai e avó da menina serão julgados.

Imagem: Reprodução/Facebook

O julgamento do caso Eduarda Shigematsu foi marcado para 24 de março de 2022. O júri popular que vai decidir se o pai, Ricardo Seidi, e a avó da menina, Terezinha de Jesus Guinaia, são culpados ou tiveram participação na morte da criança. 

O julgamento vai acontecer em Rolândia, cidade onde o crime aconteceu em abril de 2019. O pai de Eduarda será julgado pelos crimes de feminicídio, ocultação de cadáver e falsidade ideológica. Já Terezinha de Jesus Guinaia é processada por ocultação de cadáver e falsidade ideológica. Segundo a denúncia do Ministério Público, ela teria alterado informações e prejudicado as investigações.

Terezinha chegou a ficar presa por quase dois meses, recebeu autorização da Justiça e, atualmente, responde ao processo em liberdade. O filho dela e pai de Eduarda está preso desde a época do crime.

A pena por feminicídio, que Eduardo é acusado, chega aos 30 anos de detenção. Já os crimes de falsidade ideológica e ocultação de cadáver tem penas que, somadas, podem chegar a oito anos de prisão. 

Relembre o caso da morte de Eduarda Shigematsu clicando aqui.

Redação Tem



Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail