Estudante negra é vítima de racismo dentro de colégio do Paraná

Menina foi humilhada ao tentar entrar no banheiro. Foi rotulada de faxineira e orientada a abandonar os estudos

Houve um protesto na manhã dessa quinta-feira no colégio – Foto: Divulgação

Estudantes do Colégio Estadual Regente Feijó, em Ponta Grossa, realizaram uma manifestação na manhã desta quinta-feira (21), por conta de um crime de racismo acontecido na quarta-feira (20), contra uma estudante negra, no interior do estabelecimento de ensino.

Informações repassadas reforçam as evidências do ato. O caso é extramente grave. Uma funcionária do colégio, depois de permitir uma aluna branca ir ao banheiro, tomou uma decisão contrária em relação à aluna negra, proferindo as seguintes declarações. “Vá arrumar esse cabelo, cabelo mais feio, não sei porque se mata de estudar, se vai virar faxineira”.

Uma estudante contou por telefone para a reportagem que a escola promoveu, na semana passada, uma Feira Cultural Africana com envolvimento de alunos que trabalharam durante um mês sobre o assunto e se indignou pelo fato de uma funcionária da própria instituição ter cometido tal ato racista. “Os alunos, de ontem para hoje se mobilizaram, e fizemos uma manifestação na hora do intervalo com cartazes falando sobre a lei, e todos juntos dizendo: “Todas as vozes contra o Racismo. Todas as leis contra os racistas!””, complementa.

A assessoria de imprensa do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Ponta Grossa informou por telefone que até o fim da manhã desta quinta-feira (21) nenhuma denúncia havia sido formalizada na instituição, tanto pela parte do Colégio quanto da aluna. Mesmo assim, diante dos relatos divulgados pelas redes sociais por estudantes, a Ouvidoria do órgão tomou a iniciativa de averiguar os fatos.

Redação Tem com A Rede


Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail