Secretaria de Saúde confirma dois novos de sarampo em Londrina

Foto: Reprodução

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou, nesta quinta-feira (07), o boletim epidemiológico com a situação da dengue em Londrina. Desde a primeira semana de janeiro, Londrina registrou 14.373 notificações da doença. Até o momento, 3.239 casos foram confirmados, e outros 10.573 estão descartados. Ainda estão pendentes outros 561 casos, que aguardam o resultado de exames laboratoriais.

Para evitar a ocorrência de uma epidemia de dengue durante o verão, época mais propícia para a proliferação do Aedes aegypti, transmissor da dengue e outras endemias, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) recomenda a eliminação de todos os possíveis criadouros do mosquito. O último Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) identificou que mais de 55% dos focos foram encontrada em depósitos móveis, como vasos, pratos, frascos com plantas, bebedouros de animais, ou seja, dentro dos imóveis.

A diretora de Vigilância em Saúde da SMS, Sônia Fernandes, informou que neste domingo (11), os agentes de Endemias vão percorrer os seguintes bairros: Jardim Primavera, Vila Brasil, Jardim Vânia, Vila Recreio, Santa Fé, Conjunto Panissa e Jardim Sumaré. “A equipe estará vistoriando as casas que estavam fechadas durante a semana, tentando fazer a recuperação destes imóveis”, frisou.

Sarampo

Em relação ao sarampo, mais dois novos casos da doença foram confirmados na cidade. Dessa forma, Londrina atingiu a marca de sete pacientes com sarampo, dentre 16 notificações da doença. Cinco já foram descartados, e outros quatro casos estão em andamento, no aguardo dos resultados laboratoriais.

De acordo com a diretora de Vigilância em Saúde do Município, os pacientes que tiveram sarampo estão enquadrados na faixa etária de 17 a 28 anos, considerados jovens adultos. “Dos novos casos confirmados, um adquiriu a doença após ir a uma festa rave em Maringá. A outra paciente é uma mulher de 26 anos, que adquiriu a doença em Londrina, e ambos já se recuperaram”, citou.

Do total de sete casos de sarampo, Sônia explicou que cinco tiveram contágio no mesmo evento, na cidade de Maringá. “Os outros dois pacientes não possuem vínculo, e ainda não sabemos o meio de contágio. A data de início dos sintomas nesses pacientes é diversa, e ao que tudo indica eles não possuem nenhuma relação. Por isso, reforçamos que a vacinação é oferecida nas Unidades Básicas de Saúde. Ela continua sendo a única forma de prevenção, e é disponibilizada a todos os usuários”, destacou.

Redação Tem com N.com


Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail