Preço da carne não voltará ao patamar anterior, diz ministra

Tereza Cristina disse, em tom de brincadeira: "Estou comendo frango. Agora, é só frango"

Foto: Reprodução

O preço da arroba do boi gordo, que teve aumento real de nada menos que 35% em um mês, não vai mais retornar ao patamar anterior. A afirmação é da ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Tereza Cristina disse que a alta das exportações para a China teve forte impacto na valorização da carne em todo o país. O que também ajudou a puxar o aumento, no entanto, disse a ministra, foi a falta de reajuste nos preços nos últimos três anos.

“Sabemos que essa situação decorre de uma conjuntura de fatores. Agora, a arroba não vai abaixar mais ao patamar que estava”, disse Cristina.

O presidente Jair Bolsonaro, em transmissão pela internet, declarou que a ministra garantiu que, daqui a três ou quatro meses, o preço da carne volta à normalidade, o que desmentido pela ministra.

“Não é papel do ministério intervir nas relações de mercado. Os preços são regidos pela oferta e procura. Neste momento, o mercado está sinalizando que os preços da carne bovina, que estavam deprimidos, mudaram de patamar”, afirmou o Ministério da Agricultura em nota.

Algumas redes de supermercados têm afirmado que a exportação de carne tem limitado a oferta da proteína no país, além de inflacionar o produto. A ministra nega que esteja ocorrendo falta de oferta para o mercado nacional.

Em menos de três meses, o contrafilé registrou índices de aumento acima de 50% e o coxão mole, de 46%, no preço de custo que acaba sendo repassado ao consumidor, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Perguntada se estava jantando um bife enquanto dava a entrevista, Tereza Cristina respondeu, em tom de brincadeira. “Estou comendo frango. Agora, é só frango.”

Redação Tem com Estadão Conteúdo


Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail