Justiça nega recurso e mantém prova do PSS para 40 mil professores

Em Londrina, são quase 3 mil inscritos – Foto: Denny Cesare

Três decisões judiciais desta sexta-feira (08) negaram ações que pediam a suspensão da prova do Processo Seletivo Simplificado (PSS) dos professores marcada para este domingo (10) em 30 cidades do estado. Dessa maneira, a avaliação está confirmada nesta data para os quase 40 mil candidatos do processo. O exame será presencial.

No recurso interposto pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) na 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), o Desembargador Taro Oyama negou novamente o pedido de liminar feito pelo órgão entendendo que “persiste a ausência da verossimilhança das alegações”.

Na decisão, o magistrado reforçou a necessidade das medidas de prevenção que serão adotadas e ressaltou que a rede estadual poderia ser prejudicada. “É deveras genérica a expressão “existirem indicativos seguros de que a pandemia estará mais suficiente controlada”, não podendo deixar a mercê de conceitos abstratos para a realização das provas que, em tese, são para suprir a falta de servidores, ainda que temporários, na área da educação, sob pena de prejudicar, ainda mais, a educação pública estadual”, decidiu.

Professores com medo

TEM foi procurado por inúmeros professores que se disseram contrários a realização de uma prova presencial em pleno período de pandemia. “Eu não tenho nenhum problema com a prova em si, mas sim com o fato de o governo nos obrigar a aglomerar durante a pandemia, é muito errado. O governo está indo contra tudo que ele prega. Quer que a gente fique em casa, faça isolamento social, mas, na hora de contratar, ele obriga os professores a fazerem uma prova que vai causar aglomeração. Não tem sentido”, comenta o professor de ciências Rodolfo Gaspar.

Movimentação contrária

A APP Sindicato, entidade que representa os professores estaduais, se manifestou totalmente contrária a realização da prova presencial para os professores PSS. A entidade questiona a necessidade de aplicação de prova presencial durante período de crescimento dos números da covid-19 em todo o estado. Além disso, “esta prova infringe o caráter temporário de contratação e burla à regra geral do concurso público. Prova tem quer ser para concurso público”, informa o presidente da APP em Londrina, Márcio André Ribeiro.

Em Londrina, serão quase 3 mil professores participando das provas.

Redação Tem



Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail