Paranaense tenta provar que não é vereadora para receber auxílio emergencial

Imagem: Reprodução

Uma situação inusitada impediu que Simone Domingues, residente de Ponta Grossa, nós Campos Gerais, recebesse o auxílio emergencial do Governo Federal no valor de R$ 600, que começou a ser pago no último mês de abril. O motivo? A mulher não atenderia as condições para receber o benefício porque é ‘Cidadão(ã) é político(a) eleito(a)’. A mensagem foi recebida na manhã desta segunda-feira (18).

Segundo Simone, houve a primeira tentativa logo após o auxílio ser anunciado na televisão. “Ficou bastante tempo em análise e quando finalmente saiu o resultado apareceu que eu tinha trabalho eletivo. Só que eu estou quase dois anos seguidos sem trabalho”, conta. Ainda, a primeira negativa do aplicativo do auxílio mostrava que a cidadã já exerceria mandato eletivo.

Uma nova tentativa mostrava que o CPF da residente do Costa Rica já estava cadastrado. “Minha amiga disse que poderia estar irregular por causa de campanha eleitoral”, explica Simone, que concorreu as eleições municipais de 2016 pelo Democratas (DEM), candidata a vereadora. Contudo, ficou com 13 votos, longe de ser eleita ou da suplência.

Para complementar, na manhã de hoje, o aplicativo mostrava de forma direta sobre a ocupação política da ponta-grossense. Simone afirma: vai buscar esclarecimento sobre o caso. “Eu vou recorrer, tenho direito, me encaixo em todos os padrões que eles pedem. Tenho que ver se estão usando meu nome para alguma má informação, que não fecharam direito”.

Redação Tem


Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail