Londrina registra primeiro caso confirmado de sarampo

Foto: Reprodução

Após 26 anos sem a ocorrência de casos positivos, Londrina confirma o primeiro paciente com sarampo. Em entrevista coletiva, realizada nesta terça-feira (15), o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, divulgou que um jovem de 18 anos contraiu o vírus durante viagem a Maringá, em meados de setembro. Após seu retorno a Londrina, com o surgimento dos sintomas, o paciente procurou atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Centro-Oeste.

A confirmação do caso de sarampo se deu com a realização de exames laboratoriais. “Recebemos na data de hoje o resultado do Laboratório Central do Estado. É o primeiro caso confirmado da doença na cidade, e a Secretaria Municipal de Saúde tomou todas as providências em relação ao protocolo vigente de bloqueio e o resultado se mostrou positivo, haja vista que se passaram quase 30 dias e não identificamos, no ciclo de convivência desse jovem, nenhuma outra pessoa com sinais ou sintomas da doença”, frisou Machado.

O secretário explicou que, no total, nove pessoas próximas do paciente foram monitoradas, sendo que todos os contatos intradomiciliares foram vacinados no dia da suspeita do caso. “Essa vacinação é feita em até 72 horas após o surgimento dos sintomas. Há mais três casos, que também participaram desta viagem a Maringá, que apresentaram sintomas de sarampo. Foram colhidos os exames, porém como o resultado foi inclusivo solicitamos a repetição, e devemos ter um parecer até o final da próxima semana”, explicou.

Machado destacou que o paciente já se recuperou da doença, cujo tratamento é para o alívio dos sintomas, e que o jovem estava com a vacinação incompleta. O Calendário Nacional de Vacinação prevê, para pessoas de até 29 anos, duas doses da vacina contra o sarampo, porém o paciente de Londrina que contraiu a doença só recebeu uma dose. “Importante ressaltar a necessidade da vacinação. Hoje, Londrina possui uma cobertura vacinal de 60%, e esse número é extremamente baixo e preocupante, haja vista que agora apresentamos a circulação do vírus na cidade”, ressaltou.

Mobilização

Com o objetivo de oportunizar a imunização das crianças com idade de 6 meses a menores de 5 anos, neste sábado (19) as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) estarão abertas, tanto na área urbana como rural, para vacinação. O atendimento estará disponível das 8h às 17h, na área urbana, e das 8h às 14h, nos distritos.

De acordo com a diretora de Vigilância em Saúde, Sônia Fernandes, não há meio mais seguro ou eficaz de prevenir o contágio por sarampo, do que a vacinação. “Com a confirmação deste primeiro caso, a vacinação é ainda mais importante, para que a gente possa ver como está a carteira dessas crianças, e deixe as vacinas em dia. É extremamente necessário que todas as crianças tenham as vacinas. Fazemos apelo para que os pais levem, porque vacina é prevenção extremamente segura, e nesse momento é a única coisa que pode ajudar a controlar o sarampo em nossa cidade”, informou.

Sônia citou que, por ter recebido apenas uma imunização, o paciente que teve o caso de sarampo confirmado teve uma forma mais branda da doença. “Para este jovem a vacina funcionou como uma espécie de inibição, ainda que ele tenha ficado doente. E é isso que não queremos, pois as crianças são muito mais sensíveis, ficam muito debilitadas. Na década de 80, o sarampo era a principal causa de óbito infantil, e não podemos ter, nos dias de hoje, óbito de crianças que poderiam ter sido imunizadas. É um retrocesso que não podemos deixar acontecer em nosso município, e não há motivo para não vacinar”, finalizou.

Dados

A vacinação contra o sarampo é fornecida na rede municipal, sendo disponibilizada em todas as UBSs. A vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, caxumba e rubéola, é disponibilizada no Calendário Nacional de Vacinação em duas doses, destinada a crianças de 12 e 15 meses.

O último levantamento da Secretaria Municipal de Saúde indica que, este ano, a primeira dose de tríplice viral, realizada aos 12 meses, já tenha sido aplicada em 21.724 pessoas. Do total de 35.839 crianças nessa faixa etária, a cobertura é de 60,62%. Em relação a segunda dose, foram realizadas 21.222 doses. Com 35.839 crianças nessa faixa etária, o índice de cobertura é de 59,21%.

Diante do grande número de casos confirmados de sarampo no país, o Ministério de Saúde disponibilizou uma dose complementar da vacina, voltada aos bebês na faixa etária de 6 meses a menores de 12 meses, chamada de “dose zero”. O objetivo é ampliar a proteção contra a doença, em especial a esse público, mais suscetível a graves complicações.

Em Londrina, a Secretaria Municipal de Saúde estima que a população com direito a dose zero seja de 5.182 crianças. Desde a liberação dessa dose extra, em agosto, foi registrada a aplicação de 2.833 vacinas em crianças de 6 meses a 11 meses e 29 dias, o que representa uma cobertura de 54,67% do total estimado.


Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail