Vacinação contra pólio alcança apenas 66% das crianças em Londrina

No total, foram realizadas 17.339 doses extras da vacina, da meta de 26.264 unidades disponibilizadas.

Apenas 66% do público-alvo foi imunizado – Foto: Gustavo Tacaki/Assessoria Ncom

Com adesão abaixo da expectativa do Município, a vacinação contra a poliomelite ou paralisia infantil, alcançou apenas 66% do público-alvo, formado por crianças com mais de um ano e menores de cinco de idade. No total, foram realizadas 17.339 doses extras da vacina, da meta de 26.264 unidades disponibilizadas à população durante dois meses de campanha.

No último sábado (28), das 8h às 17h, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizou uma última ação ampliada de vacinação, como já havia ocorrido em outros finais de semana. Nesse dia, mais uma vez estiveram abertos diferentes pontos de atendimento, com cinco locais funcionando exclusivamente para a imunização contra a pólio. Mesmo abrangendo todas as regiões, e sem a necessidade de agendamento prévio, apenas 558 doses foram aplicadas nessa ocasião.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, a Prefeitura não mediu esforços para vacinar a população durante a campanha. Ele lembrou que o acesso foi ampliado e novas estratégias adotadas para melhor atender o público, o que incluiu uma sala de vacina exclusiva funcionando na área central da cidade, com atendimento até às 20h e capacidade para vacinar até 200 crianças por dia.

“Além disso, foram três ações ampliadas aos sábados, para que os pais, mães e responsáveis pudessem levar suas crianças para serem imunizadas contra a paralisia infantil, uma doença grave. Apesar de todo o empenho dos profissionais de saúde, divulgação e apelos feitos, a adesão infelizmente ainda ficou bem abaixo do esperado”, analisou o secretário.

Machado ainda enfatizou que a vacina é a única medida eficaz e segura para combater doenças como a poliomielite e o sarampo, que voltou a circular em território brasileiro. “Observamos, em 2019, no Paraná, a reinserção do sarampo, doença perigosa e altamente contagiosa que pode levar ao óbito. E o retorno dessa doença, que estava erradicada no país, se deve exatamente pela baixa cobertura vacinal. É muito importante que as famílias levem seus filhos para tomarem suas vacinas, que estejam com as carteirinhas atualizadas e entendam a importância disso, para proteger essas crianças e evitar a circulação de doenças perigosas”, completou.

Após o encerramento da campanha, não há mais oferta das doses extras da vacina via oral, necessária às crianças no processo complementar de imunização contra a paralisia infantil. Portanto, continuam sendo disponibilizadas somente as doses de rotina da pólio previstas pelo calendário regular para crianças menores de um ano de idade.

Essa e as outras vacinas de agenda eletiva podem ser encontradas em qualquer Unidade Básica de Saúde (UBS) de Londrina, mediante agendamento de horário, devido à pandemia do novo coronavírus. A exceção são as seis unidades que estão atendendo exclusivamente pacientes com suspeitas de síndromes respiratórias (Jardim Guanabara/Centro; Bandeirantes/Oeste; Ouro Branco/Sul; Chefe Newton e Maria Cecília/Norte; e Vila Ricardo/Leste

A lista com os endereços e números telefônicos de todas as UBSs de Londrina pode ser acessada aqui.

Redação Tem com Ncom



Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail