Retrospectiva Alviceleste – O ano de 2018 do Londrina

Temporada do Tubarão ficou muito aquém das expectativas

Salve Nação Alviceleste!

Dezembro acabando e chegou a hora de relembrar o ano de 2018 do nosso querido Tubarão, infelizmente, diferentemente de 2017 o torcedor não conseguiu gritar é campeão e mais uma vez bateu na trave com o sonho do acesso.

O início de ano foi bem complicado e o Londrina não fez um bom primeiro turno de Campeonato Paranaense, com apenas 1 vitória em 6 partidas o Tubarão ficou fora da semifinal da Taça Dionísio Filho, essa vencida pelo Coritiba. No segundo turno uma pequena melhora e a classificação para a semifinal da Taça Caio Júnior veio no sufoco, o adversário foi o Paraná Clube e o Londrina venceu nos pênaltis garantindo a vaga para a final, porém foi derrotado pelo agora “Athletico Paranaense” que após duas partidas contra o Coritiba se sagrou campeão estadual. Ao Londrina restou a sétima colocação no Campeonato Paranaense, sua pior colocação desde a volta à elite em 2012.

Em meio ao campeonato paranaense o Londrina disputou a Copa do Brasil, temendo a eliminação precoce contra um time desconhecido, assim como em 2017 frente ao Gurupi/TO, o Tubarão foi mais focado para enfrentar o Real Ariquemes/RO e no sufoco conseguiu a classificação ao vencer por 1×0. Porém, pela segunda fase recebeu o Ceará em partida realizada no Estádio do Café e foi eliminado pelo placar de 1×2, ali o Londrina já dava mostras de que o time precisaria de reforços para a competição mais importante do ano, a Série B. A Copa do Brasil de 2018 bateu o recorde de premiações e mesmo jogando em casa o Londrina não conseguiu avançar na competição, perdendo a chance de faturar mais alguns milhões de reais.

Já no Campeonato Brasileiro da Série B, após dois anos batendo na trave, com arrancadas espetaculares no final da competição, o torcedor rezava para o ano terminar de maneira diferente e a primeira impressão é de que terminaria, mas de maneira catastrófica, as várias trocas de treinadores atrapalharam a equipe que terminou o primeiro turno da competição no Z4, com risco iminente de queda. A chegada de Roberto Fonseca deu novo ânimo a equipe, que com Dagoberto inspirado, sendo artilheiro da competição com 17 gols, conseguiu nova arrancada espetacular e brigou até a penúltima rodada pelo acesso, que infelizmente mais uma vez bateu na trave.

Os erros cometidos nos dois últimos anos, infelizmente, se repetiram mais uma vez, uma equipe que é montada no meio de uma competição raramente consegue conquistar seus maiores objetivos e isso mais uma vez ficou evidente, se o treinador Roberto Fonseca chegasse algumas rodadas antes ou se a equipe fosse reforçada antes da competição começar, talvez hoje estaríamos na Série A, porém no futebol não existe “se”, caso queiramos pertencer ao seleto grupo das 20 equipes da elite do futebol nacional o planejamento deverá ser feito visando esse objetivo, não adianta ter um time para apenas brigar para não cair ou ter uma das folhas salariais mais baixas da competição e almejar algo a mais na simples “sorte” de dar certo.

Esperar o meio do campeonato para observar se o nível técnico é ou não tão alto e querer compensar os pontos perdidos no início da Série B não vai funcionar, como não vem funcionando há três anos, o torcedor cansou desse planejamento cheio de apostas, queremos o acesso para a elite do futebol brasileiro, pois vemos que isso é possível, com um pouco mais de investimento temos grandes chances de realizar esse sonho. Não é necessário explicar profundamente que a grande cota da Séria A, patrocínios e maiores rendas contra 19 grandes clubes do futebol nacional são um grande incentivo para buscar esse algo a mais.

Outro ponto importante a se destacar é o de que a torcida abraçou o clube, principalmente na reta final da competição e foi o 12º jogador, ao gestor que as vezes parece querer afastar o torcedor do clube, ser humilde, fazer promoções, buscar o torcedor para mais perto e o fazer lotar o estádio do café, como foi visto em algumas partidas, apenas comprovou que juntos desde o início e com planejamento seremos sim um dos grandes favoritos ao acesso, mas no futebol apenas falar não adianta é necessário nos unirmos e buscarmos coisas grandes, pois o Londrina se acostumou a brigar por títulos e mostrou com as conquistas dos últimos anos que é um dos grandes do futebol paranaense, porque não ser um dos grandes do futebol nacional? Basta fazer disso um objetivo e correr atrás de realizá-lo.

Roberto Fonseca (esq.) e Dagoberto (dir.) foram os grandes responsáveis pela boa campanha do Londrina no Segundo Turno da Série B – Foto: Gustavo Oliveira / LEC

Para você, torcedor Alviceleste, o que faltou para o LEC conseguir o acesso? E o que esperar para o próximo ano?

Aproveito para agradecer a você que acompanhou o Tem Londrina nesse ano, em especial esse simples blog o Caçula-Gigante, em que tento passar a cada um de vocês o sentimento de um sincero torcedor por esse clube que tanto amamos. Desejo a cada um de vocês, um Feliz natal e próspero Ano novo, que 2019 seja um ano repleto de conquistas, realizações e inúmeras felicidades para cada um de nós.

Diego Rocha

Londrinense de corpo, alma e coração, apaixonado por futebol, pela festa nas arquibancadas e principalmente pelo Londrina Esporte Clube.


Esse conteúdo é de responsabilidade de seu autor(a).


Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail