7 em cada 10 trabalhadores vão perder o abono salarial no Paraná

Em 328 dos 399 municípios paranaenses, mais da metade perderá o direito ao benefício, alerta o estudo do Dieese

1,006 milhão de paranaenses vão perder o direito – Foto: Reprodução/Google

Um levantamento do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) aponta que com a aprovação da Reforma da Previdência, só no Paraná, 70% dos trabalhadores irão perder o benefício do abono salarial PIS/Pasep.

Atualmente, todos os trabalhadores com carteira assinada e remuneração média anual de até dois salários mínimos têm direito ao abono salarial. Com a alteração proposta pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), apenas quem tiver renda média anual igual ou inferior a R$ 1.364,43 terá direito.

De acordo com o estudo, 1,472 milhão de paranaenses estariam aptos a receber o abono salarial, mas com a reforma, apenas 466 mil teriam as condições para sacar o benefício.

Pequenos municípios perdem mais

O estudo ainda mostra que os menores municípios do estado sofrerão os maiores impactos. Um dos exemplos é Jaguapitã, na região metropolitana de Londrina, onde apenas 10% dos atuais beneficiários conseguiriam manter o acesso ao abono. Atualmente, 3.745 teriam o direito, mas com a reforma, somente 394 poderão utilizar o benefício.

Imagem: Reprodução/Dieese

Já com base na quantidade de trabalhadores que têm direito, mas vão perder, os destaques são nos maiores municípios. Em Londrina o governo vai extinguir o abono de 57,3 mil pessoas (68%). Na capital paranaense, 212,3 mil trabalhadores ficarão sem o benefício. A cidade de Maringá tem o maior percentual de pessoas que podem perder o direto, com 77% (76 mil).

Imagem: Reprodução/Dieese

Em 328 dos 399 municípios paranaenses, mais da metade dos trabalhadores perderá o direito ao benefício, alerta o estudo do Dieese.

Maiores perdas em percentual: Jaguapitã (89,5%), Sabáudia (86,8%), Matelândia (85,3%), Araruna (83,4%), Mirador (83,3%), Cidade Gaúcha (83,1%), Rolândia (82,4%), Santo Inácio (82,2%), Medianeira (81,8%), Sarandi (80,5%).

Maiores perdas em números absolutos: Curitiba (212,3 mil), Maringá (59,4 mil), Londrina (57,3 mil), Cascavel (39,6 mil), Ponta Grossa (31,7 mil), Foz do Iguaçu (25,3 mil), São José dos Pinhais (25,2 mil), Toledo (17,3 mil), Colombo (15,4 mil), Guarapuava (14,8 mil).

Nova votação

A Câmara dos Deputados votou no dia 12 de julho em 1º turno a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) nº 6/2019 que trata da Reforma da Previdência. Na ocasião, o governo conseguiu aprovar a medida. Era necessário 308 votos, mas os governistas conseguiram 379 parlamentares favoráveis.

Em agosto o texto será votado novamente na Câmara, passando pela segunda votação na Casa, antes de ser encaminhado ao Senado.

Redação Tem


Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail