Vídeos: protesto antirracista termina em confusão em Curitiba

Protesto começou pacífico, mas após passeata, grupos isolados entraram em confronto com a polícia.

Protesto terminou em confronto com a PM – Foto: Reprodução

Um protesto antirracista e antifascista, convocado pelas redes sociais, que começou pacífico na Praça Santos Andrade, na frente do prédio da Universidade Federal do Paraná (UFPR), no Centro de Curitiba, acabou em confronto envolvendo a Tropa de Choque da Polícia Militar no Centro Cívico, na noite desta segunda (01). Oito pessoas foram presas.

Segundo o Subcomandante Geral da Polícia Militar do Paraná, coronel Antônio Carlos de Morais, as lideranças foram identificadas e muitas imagens também foram coletadas: “Tudo isso está agora com a polícia judiciária, que vai concluir a investigação e responsabilizar as pessoas que lideraram uma manifestação que poderia ter sido pacífica, mas acabou virando vandalismo”. De acordo com a PM, a manifestação reuniu 1200 pessoas e cerca de 200 policiais. 

Após o encerramento da manifestação antirracista em frente ao prédio da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que foi pacífica, um grupo que carregava uma faixa antifascista passou a promover uma passeata na direção ao Centro da cidade pela Rua XV de Novembro até o Centro Cívico. Já nas proximidades do local, houve ameaça de confronto entre os manifestantes e os policiais, ainda em menor número. Na frente do Palácio Iguaçu, o grupo que gritava palavras de ordem contra o governo do presidente Jair Bolsonaro. Policiais Militares tentaram impedir o ato, o que acabou gerando outro início de confronto com os participantes do protesto. Foi quando parte dos manifestantes depredou agências bancárias do Santander, Bradesco e Itaú com pedras. Também foi atingido o Shopping Mueller e a sede do Fórum de Curitiba. A sede da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) foi um dos alvos também.

Protesto começou pacífico, mas terminou em confronto – Foto: Reprodução

Os policiais que acompanhavam a manifestação pediram reforço. Foi quando a  tropa de Choque da Polícia Militar chegou e reagiu com bombas de gás lacrimogênio para dispersar os manifestantes. A situação ficou tensa. Vários manifestantes questionam nas redes sociais a ação “truculenta” da polícia militar já que as bombas acabaram atingindo quem participava pacificamente da manifestação, mas a PM alegou que quis proteger justamente as ‘pessoas de bem que estavam na manifestação’.

De acordo com o Subcomandante Geral da Polícia Militar do Paraná, a inteligência da polícia acompanhou o chamamento pelas redes sociais e programou o acompanhamento do evento, como sempre faz. “Fizemos o acompanhamento de forma técnica, e quando foram para o Palácio Iguaçu, começamos a detectar alguns sinais de violência. Nós tivemos que aguardar o momento certo de agir. Vimos quando as pessoas de bem estavam correndo risco, quando o patrimônio público e privado começou a ser depredado. Prendemos oito pessoas que estavam mais isoladas, justamente para acalmar os ânimos e nada adiantou e tivemos que usar de certa força para dispersar”, afirmou ele.  Morais ainda disse que um policial que foi ferido no ato passa bem: “Ele recebeu uma pedrada no escudo que acabou ferindo o braço, mas passa bem”. Não há informações de manifestantes feridos.

“Infiltrados organizados para criminalizar o evento’, dizem organizadores

Os organizadores da manifestação contra o racismo, aliás, divulgaram nota afirmando que o ato ocorreu de forma pacífica e ordeira, e apontam a suspeita de que os episódios de vandalismo ocorridos após o encerramento do evento podem ter sido provocados por “infiltrados” organizados para criminalizar o evento. Assinam a nota “Movimento Feminista de Mulheres Negras”, “Bando Cultural Favelados da Rocinha FAVELA”, “União da Comunidade dos Estudantes e Profissionais Haitianos (UCEPH), “J23 – Juventude do Cidadania”, Rede nenhuma Vida a Menos”, com apoio do Grupo Dignidade e da Aliança Nacional LGBTI+, ou seja a Antifa não estava entre os organizadores da manifestação.  “A organização do ato CONTRA O RACISMO EM CURITIBA vem a público manifestar que, diferentemente do vinculado nas redes sociais e na imprensa, os manifestantes, além de utilizar proteção para evitar a propagação da epidemia de covid-19, comportaram-se de maneira ordeira, em defesa da democracia e contra o racismo”, diz a nota. “O ato foi um sucesso. Reuniu muitas pessoas, teve uma atmosfera esperançosa por dias melhores”, aponta o texto.  “Nossa luta é por igualdade, contra o racismo, a violência contra jovens negros nas periferias, a proliferação de grupos que propagam o ódio e o genocídio de brasileiros promovido pela falta de uma política clara de saúde durante esta pandemia”. 

De acordo com o grupo, “infelizmente, no final do ato, em uma dispersão de alguns poucos, houve vandalismo contra o patrimônio público. O que, ao nosso ver, é muito estranho e suspeito e representa a presença organizada de infiltrados que desejam a criminalização do movimento”. “O uso de força excessiva por parte da polícia demonstra também a incapacidade de diálogo e a opção pela agressão”, avaliam os organizadores.  

Foto: Reprodução

Danos 

Segundo a prefeitura de Curitiba, em equipamentos públicos do município houve registro de danos em algumas estações-tubo na região do Centro Cívico e pontos de mobiliário urbano na Praça Tiradentes.

O levantamento completo será feito e divulgado nesta terça (02).

Assista os vídeos:

Redação Tem



Você tem que estar por dentro!
Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades no seu e-mail